AVISO AVISO

ATENÇÃO com a finalidade de melhorar a performance do sistema, estão sendo exibidas apenas as consultas públicas EM ANDAMENTO.

Caso deseje acessar as consultas com prazo esgotado, favor selecionar o botão STATUS abaixo e marcar a opção "Fechado".

fechado
Consulta Pública nº 109 de 02/06/2021

Consulta Pública relativa aos aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021)

Consulta Pública sobre proposta do GT Metodologia da CPAMP (ciclo 2020-2021) contemplando aprimoramentos nos modelos, abordando os seguintes temas: Avaliação da Parametrização do CVaR, Elevação de Armazenamento, Consideração do Volume Mínimo Operativo no Modelo DECOMP, Representação da Produtibilidade Hidroelétrica e Perdas Hidráulicas no Planejamento da Operação Energética de Curto Prazo, Representação Hidrológica e Taxa de Desconto.

Publicação no DOU em: 02/06/2021,
Prazo: 02/06/2021 à 02/07/2021
Número Processo: 48330.000188/2020-32
Área Responsável: Secretaria Executiva
ANEXOS
1 - Relatório Técnico GT Metodologia CPAMP - Taxa de desconto Download
2 - Relatório Técnico GT Metodologia CPAMP - Representação Hidrológica Download
3 - Relatório Técnico GT Metodologia CPAMP - Produtibilidade Download
4 - Relatório Técnico GT Metodologia CPAMP - VMinOP Download
5 - Relatório Técnico GT Metodologia CPAMP - Elevacao Earm Download
6 - Relatório Técnico GT Metodologia CPAMP - Avaliação parametros CVaR com Sumario Executivo Download
7 - Relatório Técnico CEPEL - Testes Aderencia Historico Download
8 - Nota Técnica - Consolidação das contribuições da CP109 Download

  • Contribuído em 01/07/2021 ABRAGET

    Contribuições da ABRAGET a CP 109

    A proposta oriunda da CP 109 do MME traz preocupações sobre o impacto no mercado, portanto a ABRAGET sugere alterações mais moderadas nos chamados aprimoramentos propostos pela CPAMP.

    Número identificador: 109/21-07011

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 01/07/2021 Furnas Centrais Elétricas S.A.

    Contribuição de FURNAS à Consulta Pública 109/2021 MME relativa aos aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021)

    O objetivo deste documento é apresentar as contribuições de FURNAS à Consulta Pública 109/2021 do MME, que divulgou a documentação técnica do Grupo de Trabalho - GT de Metodologia da Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico - CPAMP, com o objetivo de colher subsídios da sociedade sobre os aprimoramentos propostos, a serem aplicados a partir de 2022, abordando os seguintes temas: Representação Hidrológica, Elevação de Armazenamento, Consideração do Volume Mínimo Operativo no Modelo DECOMP, Avaliação da Parametrização do CVaR, Representação da Produtibilidade Hidroelétrica e Perdas Hidráulicas no Planejamento da Operação Energética de Curto Prazo, e Taxa de Desconto. Na ocasião da CP MME 103/2021 Furnas teve a oportunidade de contribuir sobre os temas Representação hidrológica e Representação da Produtibilidade Hidroelétrica e Perdas Hidráulicas no Planejamento da Operação Energética de Curto Prazo, além de ter sugerido revisão dos volumes mínimos operativos da metodologia de aversão ao risco VMINOP. A contribuição de FURNAS se concentra na preocupação do bom desenvolvimento dos modelos e metodologias utilizadas no despacho das usinas e na formação de preço da energia no SIN, uma vez que entendemos ser saudável ao setor elétrico que os modelos energéticos reflitam o melhor possível a operação do SIN. Isso diminui os Encargos de Serviço de Sistema, fornece sinal correto do preço da energia no Mercado de Curto Prazo e aumenta a previsibilidade por parte dos agentes, que passam a depender menos da realização de estimativas sobre as operações heterodoxas do ONS, que dificulta o gerenciamento de riscos por parte dos agentes.

    Número identificador: 109/21-07012

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 CPFL Energia

    Contribuição Grupo CPFL Energia

    O Grupo CPFL Energia traz sua contribuição à Consulta Pública MME nº 109/2021 - CPAMP - aprimoramento nos modelos

    Número identificador: 109/21-07023

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Aliança Geração

    Contribuição da Aliança Geração de Energia S.A. na Consulta Pública nº 109 de 02/06/2021 relativa aos aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021)

    Contribuição da Aliança Geração de Energia S.A. na Consulta Pública nº 109 de 02/06/2021 relativa aos aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021)

    Número identificador: 109/21-07024

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Neoenergia

    Contribuição Neoenergia

    Contribuição Neoenergia

    Número identificador: 109/21-07029

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 XP Comercializadora

    Contribuição da XP Comercializadora à Consulta Pública 109/2021 do MME

    A XP Comercializadora de Energia entende que, na operação do sistema elétrico sempre deve haver o equilíbrio da mitigação do custo e a segurança energética, mantendo seu posicionamento nessa Consulta Pública de que os parâmetros do CVaR (50,35) devem ser mantidos, com possibilidade de “backtests” no decorrer do horizonte de 2022, dado que os demais parâmetros sugeridos já elevam, de forma natural a aversão a risco, e como consequência, há ganhos em armazenamento.

    Número identificador: 109/21-070210

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Copel

    Contribuição da Copel Mercado Livre à CP 109

    Propõe-se que os novos parâmetros não sejam adotados com vigência a partir de 1º de janeiro de 2022. Requer-se, assim sendo, que os aprimoramentos apresentados na presen-te Consulta Pública sejam objetos de análise por parte dos agentes de mercado de energia elétrica mediante implementação de um período sombra igual ou superior a 12 meses. Desse modo, possibilita-se a adaptação dos agentes do mercado de energia elétrica perante altera-ções estruturais nos modelos computacionais que definem a formação de preço, permitindo aos agentes observarem seu comportamento e oscilação por meio de um período sombra. Sugere-se, também, que modificações de parâmetros significativos na metodologia e formação do preço de energia elétrica sejam objetos de análise mediante emprego de um período sombra de ao menos 12 meses, de forma a permitir aos agentes do mercado de energia elétrica a análise dos efeitos imediatos aos contratos já celebrados, como também adaptar o mercado de energia elétrica peran-te as novas regras a serem implementadas. Destarte, evita-se o risco de qualquer alteração estruturante na formação de preço e/ou regra do mercado incorrer na insolvência de agentes do mercado que já estão comprometidos com contra-tos de comercialização de energia elétrica, expondo-os a riscos alheios à sua gestão.

    Número identificador: 109/21-070211

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Casa dos Ventos Energias Renováveis

    Contribuição da Casa dos Ventos Energias Renováveis à Consulta Pública nº 109 de 2021, aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021)

    A Casa dos Ventos Energia Renováveis é favorável aos aprimoramentos que induzam eficiência e melhor representem o sistema, no entanto, os parâmetros que representam a aversão ao risco nos modelos devem ser estruturais e isentos da pressão da conjuntura atual de crise de suprimento. Assim, as mudanças dos parâmetros físicos que visam melhor representar a aversão ao risco (VminOp) e características do sistema (modelo de vazões) são bem-vindas, no entanto a implementação intempestiva das restrições de volume mínimo já violadas culminam sobretudo na resposta reativa dos modelos. Deste modo, uma implementação gradual deve ser considerada, haja vista os impactos ao equilíbrio econômico e financeiro dos agentes atuantes no mercado, à segurança das transações comerciais e à elevação do custo final em toda cadeia de suprimento de energia elétrica. Ademais, uma vez que não foram estabelecidos critérios e metodologias para a definição da parametrização do mecanismo CVaR, recomenda-se a manutenção dos valores ora vigentes. Destaca-se, sobretudo, como preceito básico a ser perseguido pela CPAMP a responsabilidade de não oscilar a calibragem dos parâmetros e mecanismos dos modelos de planejamento da expansão, planejamento e programação da operação, definição e cálculo da garantia física dos empreendimentos de geração e formação de preço no setor de energia elétrica no sentido de ora relaxar e ora restringir a aversão do risco ali representada em função de aspectos conjunturais. Isto prejudica significativamente o incentivo à expansão do setor elétrico, uma vez que a decisão de investimento é baseada em metodologias e parâmetros vigentes e carece de previsibilidade para o longo prazo.

    Número identificador: 109/21-070213

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 ABIAPE - Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia

    Contribuição ABIAPE

    A Associação Brasileira dos Investidores em Autoprodução de Energia (ABIAPE) apresenta suas contribuições à Consulta Pública (CP) do Ministério de Minas e Energia (MME) n° 109/2021. A CP visa obter contribuições sobre a proposta do GT Metodologia da CPAMP (ciclo 2020-2021) contemplando aprimoramentos nos modelos.

    Número identificador: 109/21-070216

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 UHE Jirau

    Contribuições de Jirau Energia, Santo Antônio Energia e Norte Energia à Consulta Pública MME nº 109/2021

    15. Abaixo conclusões e contribuições para o aprimoramento dos modelos e sua implementação: i) Observar, antecipadamente, o comportamento dos modelos com o aprimoramento da representação de séries hidrológicas via aplicação e implementação apenas do Par-p-A, no mínimo até dezembro de 2022. Analisar a necessidade de implantar critérios de aversão a risco adicionais. ii) Avaliar a oportunidade de evolução metodológica para a representação de forma individualizada das usinas hidrelétricas no modelo NEWAVE. iii) A superposição de mecanismos de aversão ao risco no Setor se mostra incoerente por não possibilitar que sejam analisados de forma individualizada os impactos físicos e comerciais de cada mecanismo disponível, tais como: custo de déficit; diferentes taxas de desconto entre operação e expansão; CVaR; e VMinOp. iv) Há necessidade de avaliação em período de comparação mais extenso. Recomenda-se o monitoramento do sistema, no mínimo até dezembro de 2022, com os aprimoramentos da representação do Sistema e de seus critérios operativos (incluindo as restrições de uso múltiplo dos rios Grande e Paranaíba) – operação sombra, a exemplo do processo de implantação do PLD horário. v) Há necessidade de quantificar/estimar os impactos sobre os consumidores livres e os geradores hidrelétricos em função da elevação do PLD e dos preços bilaterais no ACL. vi) Após avaliação e monitoramento do Sistema com os aprimoramentos concluídos, se a aplicação de novo critério de aversão a risco demonstrar-se necessária, que haja uma implementação transitória (2-3 anos), de forma que a a elevação estrutural dos níveis de reservatórios almejada ocorra a um custo suportável para os Agentes impactados. vii) O MME deve cuidar para que eventual aumento de custo de geração térmica deve ser acompanhado de reais melhorias na segurança do Sistema, devendo refletir em justa onerosidade alocada entre os agentes. Não deve haver transferências de renda injustificadas entre os agentes do setor.

    Número identificador: 109/21-070217

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 EDP

    Contribuição da EDP Energias do Brasil à CP MME 109/21

    Contribuição da EDP Energias do Brasil à CP MME 109/21

    Número identificador: 109/21-070219

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia

    Contribuição da Abraceel à Consulta Pública 109/2021 do MME - Propostas CPAMP de alteração nos modelos para 2022

    Link para acesso ao anexo da contribuição: https://abraceel.com.br/biblioteca/estudos/2021/07/apoio-tecnico-psr-a-cp-mme-109-21-alteracoes-nos-modelos-para-2021/

    Número identificador: 109/21-070222

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Energisa SA

    Contribuição CP 109/2021 - Grupo Energisa

    O Grupo Energisa compartilha a preocupação do CPAMP em relação as melhorias a serem adotadas nos modelos de despacho centralizado e formação de preço, porém deve-se ponderar o momento delicado do Setor Elétrico Brasileiro (altas tarifas, elevados diferimentos nos reajustes tarifários das Distribuidora e o próprio cenário crítico de abastecimento de energia).

    Número identificador: 109/21-070226

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 CTG BR

    Contribuicoes CTG Brasil CP 109

    Contribuicoes CTG Brasil CP 109

    Número identificador: 109/21-070227

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Delta Energia

    Contribuições Grupo Delta Energia

    A presente Consulta Pública propõe modificações nos modelos computacionais utilizados no processo de despacho energético e formação do preço de energia elétrica, com a finalidade aprimorar os resultados e aumentar a aderência face as condições operativas do sistema elétrico. O aprimoramento na cadeia de modelos computacional que são utilizados pelo ONS, CCEE e EPE são constantes, e sempre visam buscar respostas para apoiar a decisão. Aversão ao Risco bem como minimização do custo total de operação sempre foram o binômio ancorado do setor. Um ponto importante é que as propostas da CPAMP tenham um cunho estrutural e que a situação conjuntural, de afluências piores do histórico (outliers), não sirva de combustível para influenciar a tomada de decisão olhando apenas um prisma do problema. O Grupo Delta Energia sempre se mostrou a favor da evolução dos modelos de formação de preço e otimização energética, e sempre se colocou na posição de contribuir nas discussões e análises relacionadas aos aprimoramentos dos modelos. Na atual consulta pública, foi proposta uma superposição de implementações que devem ser analisadas com profundidade individualmente bem como conjuntas. Nesse sentido, apresentaremos proposições desta consulta pública, que ficou apoiada em 3 implementações, sendo apenas uma propositiva onde foram apresentado um cardápio de opções (CVaR) e duas implementações impositivas PAR(p)-A e VminOP sem nenhum cardápio de variações. Neste contexto, o presente documento tem o objetivo de explorar as sugestões feitas pelas CPAMP na CP 109/2021 e expor as contribuições e considerações do Grupo Delta Energia.

    Número identificador: 109/21-070228

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Beta Energia

    Contribuições Beta Energia

    A presente Consulta Pública propõe modificações nos modelos computacionais utilizados no processo de despacho energético e formação do preço de energia elétrica, com a finalidade aprimorar os resultados e aumentar a aderência face as condições operativas do sistema elétrico. O aprimoramento na cadeia de modelos computacional que são utilizados pelo ONS, CCEE e EPE são constantes, e sempre visam buscar respostas para apoiar a decisão. Aversão ao Risco bem como minimização do custo total de operação sempre foram o binômio ancorado do setor. Um ponto importante é que as propostas da CPAMP tenham um cunho estrutural e que a situação conjuntural, de afluências piores do histórico (outliers), não sirva de combustível para influenciar a tomada de decisão olhando apenas um prisma do problema. A Beta Energia sempre se mostrou a favor da evolução dos modelos de formação de preço e otimização energética, e sempre se colocou na posição de contribuir nas discussões e análises relacionadas aos aprimoramentos dos modelos. Na atual consulta pública, foi proposta uma superposição de implementações que devem ser analisadas com profundidade individualmente bem como conjuntas. Nesse sentido, apresentaremos proposições desta consulta pública, que ficou apoiada em 3 implementações, sendo apenas uma propositiva onde foram apresentado um cardápio de opções (CVaR) e duas implementações impositivas PAR(p)-A e VminOP sem nenhum cardápio de variações. Neste contexto, o presente documento tem o objetivo de explorar as sugestões feitas pelas CPAMP na CP 109/2021 e expor as contribuições e considerações da Beta Energia.

    Número identificador: 109/21-070229

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Zeta Energia

    Contribuições Zeta Energia

    A presente Consulta Pública propõe modificações nos modelos computacionais utilizados no processo de despacho energético e formação do preço de energia elétrica, com a finalidade aprimorar os resultados e aumentar a aderência face as condições operativas do sistema elétrico. O aprimoramento na cadeia de modelos computacional que são utilizados pelo ONS, CCEE e EPE são constantes, e sempre visam buscar respostas para apoiar a decisão. Aversão ao Risco bem como minimização do custo total de operação sempre foram o binômio ancorado do setor. Um ponto importante é que as propostas da CPAMP tenham um cunho estrutural e que a situação conjuntural, de afluências piores do histórico (outliers), não sirva de combustível para influenciar a tomada de decisão olhando apenas um prisma do problema. A Zeta Energia sempre se mostrou a favor da evolução dos modelos de formação de preço e otimização energética, e sempre se colocou na posição de contribuir nas discussões e análises relacionadas aos aprimoramentos dos modelos. Na atual consulta pública, foi proposta uma superposição de implementações que devem ser analisadas com profundidade individualmente bem como conjuntas. Nesse sentido, apresentaremos proposições desta consulta pública, que ficou apoiada em 3 implementações, sendo apenas uma propositiva onde foram apresentado um cardápio de opções (CVaR) e duas implementações impositivas PAR(p)-A e VminOP sem nenhum cardápio de variações. Neste contexto, o presente documento tem o objetivo de explorar as sugestões feitas pelas CPAMP na CP 109/2021 e expor as contribuições e considerações da Zeta Energia.

    Número identificador: 109/21-070230

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 ABRAGEL

    Contribuição ABRAGEL - CP MME 109/2021

    1. Aprimoramentos físicos são bem-vindos (vazões e armazenamento mínimo) com implementação gradual (ex: linear ao longo de 2022) do VminOp, visto que sua implantação ainda em 2021 resultará tão somente em elevação dos preços, sem melhora significativa no armazenamento no mesmo período; 2. Proposição de procedimento para atualização de parâmetros do CVaR que seja transparente, previsível e objetivo; 3. A manutenção do CVaR (50,35) que garante a segurança operativa desejada sem demasiado impacto financeiro para os agentes, podendo este parâmetro ser novamente reavaliado quando o procedimento proposto acima for implementado; 4. A compatibilização entre modelagem de usinas em implementação do ACL (TS ANEEL 09/21), seja antecipando a inclusão das usinas já em 2022 ou postergando a inclusão destas usinas e a revisão dos parâmetros de aversão ao risco para 2023.

    Número identificador: 109/21-070233

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica

    Contribuições da Apine para a CP 109-2021

    Contribuições da Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia Elétrica - Apine para a CP MME 109/2021 - Aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021)

    Número identificador: 109/21-07028

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 ABRAGE

    Contribuições da ABRAGE à Consulta Pública 109/2021

    Contribuições da ABRAGE à Consulta Pública MME 109/2021 - CP relativa aos aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021).

    Número identificador: 109/21-070214

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Santo Antônio Energia

    Proposta de Aprimoramento dos Modelos

    Encaminhamos contribuição conjunta das empresas Jirau Energia, Norte Energia e Santo Antônio onde destacamos que deve: a) observar, antecipadamente, o comportamento dos modelos com o aprimoramento da representação de séries hidrológicas via aplicação e implementação apenas do Par-p-A, no mínimo até dezembro de 2022. Analisar a necessidade de implantar critérios de aversão a risco adicionais. b) Avaliar a oportunidade de evolução metodológica para a representação de forma individualizada das usinas hidrelétricas no modelo NEWAVE. c) A superposição de mecanismos de aversão ao risco no Setor se mostra incoerente por não possibilitar que sejam analisados de forma individualizada os impactos físicos e comerciais de cada mecanismo disponível, tais como: custo de déficit; diferentes taxas de desconto entre operação e expansão; CVaR; e VMinOp. d) Há necessidade de avaliação em período de comparação mais extenso. Recomenda-se o monitoramento do sistema, no mínimo até dezembro de 2022, com os aprimoramentos da representação do Sistema e de seus critérios operativos (incluindo as restrições de uso múltiplo dos rios Grande e Paranaíba) – operação sombra, a exemplo do processo de implantação do PLD horário. e) Há necessidade de quantificar/estimar os impactos sobre os consumidores livres e os geradores hidrelétricos em função da elevação do PLD e dos preços bilaterais no ACL. f) Após avaliação e monitoramento do Sistema com os aprimoramentos concluídos, se a aplicação de novo critério de aversão a risco demonstrar-se necessária, que haja uma implementação transitória (2-3 anos), de forma que a a elevação estrutural dos níveis de reservatórios almejada ocorra a um custo suportável para os Agentes impactados. g) O MME deve cuidar para que eventual aumento de custo de geração térmica deve ser acompanhado de reais melhorias na segurança do Sistema, devendo refletir em justa onerosidade alocada entre os agentes. Não deve haver transferências de renda injustificadas entre os agentes.

    Número identificador: 109/21-070218

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Chesf

    Contribuições Chesf à Consulta Pública MME nº 109/2021

    Seguem, no arquivo anexo, as contribuições da Chesf no que se refere às alterações propostas nos modelos computacionais Newave e Decomp, utilizados no âmbito do planejamento da operação e formação do PLD.

    Número identificador: 109/21-07025

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 ABRACE

    Contribuição ABRACE

    A ABRACE, associação setorial que representa os grandes consumidores industriais de energia, no viés de contribuir com o processo de aperfeiçoamento regulatório e modernização do setor elétrico brasileiro - SEB, apresenta abaixo suas considerações sobre os propostas de aprimoramentos nos modelos computacionais.

    Número identificador: 109/21-07026

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Enel Green Power Brasil

    Contribuição da ENEL BRASIL

    A Enel Brasil (ENEL) apresenta suas contribuições à Consulta Pública nº 109/2021, relativa à documentação técnica sobre proposta do GT Metodologia da CPAMP (ciclo 2020-2021) contemplando aprimoramentos nos modelos.

    Número identificador: 109/21-070212

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 ENGIE BRASIL ENERGIA

    Contribuições ENGIE à CP MME 109/2021

    A Engie Brasil Energia manifesta-se de acordo com a introdução da metodologia PAR(p) A nos modelos NEWAVE e GEVAZP, bem como das restrições de RHE no modelo DECOMP. Por outro lado, manifesta-se fortemente contrária à alteração dos níveis de armazenamento mínimo de VMinOp e à alteração dos parâmetros de CVaR, haja vista a ausência de estudos e elementos suficientes para sua adoção em paralelo com as demais metodologias vigentes. Nessa esteira recomenda o aprofundamento dos estudos para avaliação conjunta dos parâmetros de aversão a risco ao longo de 2022. Caso contrário, e diametralmente oposto ao objetivo pretendido, caso haja a adoção de todas as alterações propostas em um pacote único, a sinalização é de que os preços se tornarão ainda menos críveis para o mercado, haja visto que, findo o período úmido, continuarão sinalizando um uso da água em níveis elevados, o que oneraria desnecessariamente consumidores e MRE.

    Número identificador: 109/21-070215

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 ABEEólica - Associação Brasileira de Energia Eólica

    Contribuições da ABEEólica à CP 109/2021

    Contribuições da Associação Brasileira de Energia Eólica para a Consulta Pública MME nº 109/2021 - Aprimoramentos propostos pela CPAMP (ciclo 2020-2021).

    Número identificador: 109/21-070220

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Particular

    Contribuição Norte Energia S.A, ESBR e SAESA à CP/MME 109/2021 - Aprimoramento CPAMP

    i) Observar, antecipadamente, o comportamento dos modelos com o aprimoramento da representação de séries hidrológicas via aplicação e implementação apenas do Par-p-A, no mínimo até dezembro de 2022. Analisar a necessidade de implantar critérios de aversão a risco adicionais. ii) Avaliar a oportunidade de evolução metodológica para a representação de forma individualizada das usinas hidrelétricas no modelo NEWAVE. iii) A superposição de mecanismos de aversão ao risco no Setor se mostra incoerente por não possibilitar que sejam analisados de forma individualizada os impactos físicos e comerciais de cada mecanismo disponível, tais como: custo de déficit; diferentes taxas de desconto entre operação e expansão; CVaR; e VMinOp. iv) Há necessidade de avaliação em período de comparação mais extenso. Recomenda-se o monitoramento do sistema, no mínimo até dezembro de 2022, com os aprimoramentos da representação do Sistema e de seus critérios operativos (incluindo as restrições de uso múltiplo dos rios Grande e Paranaíba) – operação sombra, a exemplo do processo de implantação do PLD horário. v) Há necessidade de quantificar/estimar os impactos sobre os consumidores livres e os geradores hidrelétricos em função da elevação do PLD e dos preços bilaterais no ACL. vi) Após avaliação e monitoramento do Sistema com os aprimoramentos concluídos, se a aplicação de novo critério de aversão a risco demonstrar-se necessária, que haja uma implementação transitória (2-3 anos), de forma que a a elevação estrutural dos níveis de reservatórios almejada ocorra a um custo suportável para os Agentes impactados. vii) O MME deve cuidar para que eventual aumento de custo de geração térmica deve ser acompanhado de reais melhorias na segurança do Sistema, devendo refletir em justa onerosidade alocada entre os agentes. Não deve haver transferências de renda injustificadas entre os agentes do setor.

    Número identificador: 109/21-070224

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Omega Energia

    Contribuição Omega Energia

    Recomendações - Aprimoramentos físicos são bem-vindos (vazões e armazenamento mínimo) - CVaR (50,25) aponta para melhor custo-benefício garantindo a segurança operativa e minimizando impacto pros agentes - Implementação de VMinOp gradual - Compatibilização com recomendação da ANEEL na Tomada de Subsídios 009/2021 - Adoção de um procedimento para atualização de parâmetros transparente, previsível e objetivo

    Número identificador: 109/21-070223

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 PRINCIPAL ENERGIA

    Contribuições Principal Energia

    A presente Consulta Pública propõe modificações nos modelos computacionais utilizados no processo de despacho energético e formação do preço de energia elétrica, com a finalidade aprimorar os resultados e aumentar a aderência face as condições operativas do sistema elétrico. O aprimoramento na cadeia de modelos computacional que são utilizados pelo ONS, CCEE e EPE são constantes, e sempre visam buscar respostas para apoiar a decisão. Aversão ao Risco bem como minimização do custo total de operação sempre foram o binômio ancorado do setor. Um ponto importante é que as propostas da CPAMP tenham um cunho estrutural e que a situação conjuntural, de afluências piores do histórico (outliers), não sirva de combustível para influenciar a tomada de decisão olhando apenas um prisma do problema. A Principal Energia sempre se mostrou a favor da evolução dos modelos de formação de preço e otimização energética, e sempre se colocou na posição de contribuir nas discussões e análises relacionadas aos aprimoramentos dos modelos. Na atual consulta pública, foi proposta uma superposição de implementações que devem ser analisadas com profundidade individualmente bem como conjuntas. Nesse sentido, apresentaremos proposições desta consulta pública, que ficou apoiada em 3 implementações, sendo apenas uma propositiva onde foram apresentado um cardápio de opções (CVaR) e duas implementações impositivas PAR(p)-A e VminOP sem nenhum cardápio de variações. Neste contexto, o presente documento tem o objetivo de explorar as sugestões feitas pelas CPAMP na CP 109/2021 e expor as contribuições e considerações da Principal Energia.

    Número identificador: 109/21-070231

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Log Energia Comercializadora S.A.

    Contribuição Log Energia

    A Log Energia, baseada em estudos e discussões realizados dentro da Abraceel, vem por meio dessa contribuição pleitear a manutenção dos atuais parâmetros do CVaR (50,35), bem como uma etapa de transição na adoção do VminOp. Os principais pontos que reforçam o pleito são: - As propostas da CPAMP são de caráter estrutural, e não devem ser pautadas pela conjuntura; - CVaR não deve ser recalibrado para compensar os efeitos de outras mudanças metodológicas ou falhas de representação nos modelos com vistas a manter desejada trajetória de armazenamento de curto prazo; - Análise custo-benefício da própria CPAMP mostra que não é coerente alterar os parâmetros do CVaR (50,50), uma vez que manter os atuais parâmetros (50,35) eleva os níveis de armazenamento, reduz GFOM e há menor impacto no CMO/PLD, custo da geração térmica, conta bandeira; - A implementação de diversas alterações metodológicas de uma só vez dificulta a análise concreta dos reais benefícios de cada mudança, principalmente na comparação com o caso real.

    Número identificador: 109/21-07027

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Santo Antônio Energia

    Proposta de Aprimoramento dos Modelos

    Considerando o severo período de hidrologia que o setor vem vivenciando, o grande desequilíbrio de alocação de risco presente entre as classes de agentes e o elevado custo para atingir o armazenamento esperado através dos aprimoramentos propostos, que vão contra os conceitos de otimização de custo do sistema (custo de arrependimento muito alto), a Santo Antônio Energia (SAESA) contribui pela: (i) manutenção dos atuais paramentos dos modelos computacionais; (ii) eventuais aprimoramentos de metodologias e nos parâmetros dos modelos é salutar, desde que ocorram em momentos hidrologicamente e estruturalmente adequados, sempre vigorando com uma carência de pelo menos 12 meses após a sua aprovação, para que os agentes tenham oportunidade de avaliar os impactos e se readequar/adaptar aos riscos que essas alterações causam, e, se possível, que tenha simulação sombra neste período; (iii) deve-se buscar o reestabelecimento do equilíbrio de risco e oportunidades entre as diferentes classes de agentes do mercado.

    Número identificador: 109/21-070221

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Omega Energia

    Contribuição Omega Energia

    Recomendações - Aprimoramentos físicos são bem-vindos (vazões e armazenamento mínimo) - CVaR (50,25) aponta para melhor custo-benefício garantindo a segurança operativa e minimizando impacto pros agentes - Adoção gradual do VMinOp - Compatibilização dos prazos de adoção com a Tomada de Subsídios 009/2021 da ANEEL - Adoção de um procedimento para atualização de parâmetros transparente, previsível e objetivo

    Número identificador: 109/21-070225

    Justificativa da reprovação:

  • Contribuído em 02/07/2021 Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica - ABRADEE

    Contribuição da ABRADEE para Consulta Pública n.º 109 de 2021

    A preocupação do MME em aprimorar os modelos computacionais do setor elétrico para provimento de maior segurança energética através de melhor representação da realidade e consequente aumento dos níveis de armazenamento é adequada, vez que pode mitigar os impactos de futuras crises hídricas. No entanto, a mudança deve ser feita a partir de análise abrangente sobre os custos ou benefícios líquidos das medidas para a sociedade em diferentes cenários, com intuito de se afastarem alternativas excessivamente custosas, avaliando em particular o efeito final ao consumidor cativo, que tem sofrido com impactos tarifários persistentes recentemente, e cujas ferramentas mitigatórias de risco são bastante limitadas. Discussões desta magnitude tem que ser tomadas com maior antecedência e previsibilidade, para que os agentes possam se preparar tanto para o debate quanto para a própria mudança metodológica, que deve ser permeada pela transparência e clareza de objetivos.

    Número identificador: 109/21-070232

    Justificativa da reprovação: